Home

Já ouviu o refrão de uma popular canção em inglês que diz:

Sorry!
Is all that you can say?
Years gone by and still
Words don’t come easily
Like sorry

Algumas situações de nosso cotidiano como a do exemplo a seguir podem nos fazer lembrar de tal refrão:

 “FIQUEI com pena de minha esposa”, disse o marido compassivo. “Ela tinha trabalhado muito para preparar uma refeição para algumas pessoas jovens do seu círculo de amizades. Mas, quando chegou a hora de virem, ninguém apareceu. No começo, ela ficou um pouco irritada. Daí, indignada. Depois, ficou bem aborrecida a ponto de ter lágrimas nos olhos ao passar o tempo. Seu prato especial para a refeição começou a ficar cozido demais. Entretanto, ninguém telefonou para explicar o atraso.” Ele continuou: “Em situações como esta a pessoa teme o pior. (O que aconteceu com elas? Será que sofreram um acidente?) Bem, por fim, duas pessoas apareceram. As demais nem sequer telefonaram.”

Passaram-se então diversos dias. Reencontros e algumas lágrimas, alguns abraços e a questão ficou resolvida. Contudo uma coisa ficou em mente: ‘Não poderiam simplesmente ter dito: “Desculpe”?’”

Há verdade no refrão da canção popular que diz: “Desculpe parece ser a palavra mais difícil.” Por que se dá assim? Provavelmente porque “desculpe” é uma admissão de culpa. É verdade que parece não termos dificuldade de admitir nossas faltas de modo geral. Diga a alguém: “Você é imperfeito!” e bem provavelmente ouvirá: “Não o somos todos nós?” Mas diga-lhe que  é egoísta, orgulhoso, arrogante, insensível, infantil ou irritante e pisará no calo dele. Não é de admirar que um provérbio oriental nos aconselhe a desconsiderar, a suportar e a perdoar as faltas dos outros: “Quem perdoa uma ofensa mostra que tem amor, mas quem fica lembrando o assunto estraga a amizade”. — livro de  Provérbios 17:9

Embora atrasar-se para um almoço seja coisa trivial, são esses pequenos contratempos que amiúde erguem barreiras aparentemente intransponíveis entre as pessoas. Contudo, em geral, pode-se acabar com a barreira da contenda com um simples “desculpe-me”.

Sim, quem será o primeiro a dizê-lo? “Não eu!” talvez diga. Analisou a situação e julgou-se “inocente”. “Alguém tem que estar certo”, talvez insista. Mas tal raciocínio deixa de  reconhecer que seu “adversário” olha provavelmente a questão de um ponto de vista diferente. Novamente, outro provérbio diz: “Aquele que é o primeiro a fazer a sua defesa parece ter razão, mas só até que a outra pessoa comece a lhe fazer perguntas.” (Provérbios 18:17)  Por conseguinte, há um empate. Quando ambos os lados consideram que pedir desculpas é uma derrota, estão abrindo trincheiras e preparando-se para uma longa batalha.

Até mesmo hostilidades de há muito tempo podem ser resolvidas quando as pessoas estão dispostas a sacrificar seu orgulho. Considere, por exemplo, nos tempos patriarcais lá no Oriente, Jacó estava disposto a sacrificar mais do que o orgulho para pôr fim a uma disputa. A rivalidade com seu irmão gêmeo, Esaú, pode ser remontada à época do nascimento deles. Transformou-se em intenso ódio, quando Jacó manobrou os eventos de modo a receber o direito da primogenitura, que Esaú lhe havia vendido em troca de um prato de comida. Jacó fugiu para salvar sua vida! O passar de muitos anos não amenizou o ódio de Esaú a Jacó.

Eventualmente, chegou o dia de um reencontro. Jacó enviou humildemente mensageiros, solicitando um encontro com Esaú. A tensão se forma quando estes irmãos em contenda se preparam para um encontro, Jacó com seus rebanhos e filhos, Esaú com o seu bando de 400 homens! Sem dúvida, Esaú tem em mente assassinar. Contudo, Jacó está decidido a fazer as pazes. Ele faz humildemente um gesto de amizade, e que gesto! Centenas de valiosos cabritos e ovelhas, muitas vacas, camelos e novilhos são entregues pelos servos de Jacó como oferendas de paz. Imagine a surpresa de Esaú ao ver tal demonstração de generosidade!

Contudo, a paz havia de custar mais. Face a face com Esaú, o que Jacó faz então? “E ele mesmo passou adiante deles e foi encurvar-se por terra, sete vezes, até chegar perto de seu irmão”, fazendo isso como se estivesse reconhecendo alguém superior. Qual foi o efeito? “E Esaú foi correndo ao encontro dele, e começou a abraçá-lo e a lançar-se ao pescoço dele, e a beijá-lo, e romperam em pranto.” —  Livro de Gênesis 32:13-15; 33:1-4.

Que lição aprendemos? Numa disputa pessoal, há algo mais importante do que quem está “certo” ou “errado”. É importante que a paz seja restaurada. Portanto, se teve algum desacordo, pergunte-se: “Será que estou vendo as coisas do ponto de vista da outra pessoa? Estou disposto a ser humilde? Posso ser o primeiro a dizer: ‘Desculpe’ por ter causado alguma dificuldade?”

It’s hard for me to say I’m sorry” diz uma outra canção na voz de Peter Cetera.

Há um ditado: “Desculpe é apenas uma palavra.” Mas é uma palavra poderosa. Procure ser o primeiro a dizê-la.

 

Fontes:
– Baseado num artigo de AWAKE! 1982
– Citação inicial: canção “Baby Can I Hold You” de Tracy Chapman
– Citação final: canção “Hard To Say I’m Sorry” de Peter Cetera

2 thoughts on “Qual é a palavra mais difícil?

  1. Acredito que a maior dificuldade do ser humano em perdoar vem da incapacidade ou dificuldade extrema em se perdoar (perdoar a sim mesmo). Para perdoar é necessário reconhecer que também se erra e admitir falhas que vão, muitas vezes, contra o que se prega.
    Excelente texto!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s